Tudo começou com um prato de sanduíches que ninguém queria.

As mulheres, em sua maioria migrantes e refugiadas, que participam de um grupo de apoio em Ballarat decidiram que poderiam ter uma vida melhor.

Todas as quintas-feiras, enquanto discutiam os obstáculos em seu caminho para uma vida melhor - violência doméstica, desemprego, habilidades limitadas de inglês - eles traziam pratos de sua terra natal para compartilhar.

"Trocávamos histórias sobre por que aquela comida era importante para nós ou quem nos ensinou a prepará-la", disse a facilitadora do grupo Shiree Pilkinton.

[caption id="attachment_547" align="alignnone" width="862"] As mulheres por trás do livro de receitas It Takes Courage de suas terras natais. ( Fornecido: Fotografia E Vídeo MDP )[/caption]

Na época, a Sra. Pilkinton era consultora de envolvimento intercultural da Women's Health Grampians.

Intercultural é uma palavra pela qual ela é apaixonada.

“Eu sou uma grande defensora [de seu] uso”, disse ela.

“Sim, somos um grupo de mulheres multiculturais - mas somos mais do que isso.

“Intercultural significa que estamos todos os dias aprendendo uns com os outros, trocando habilidades, conhecimentos, experiências vividas”.

É preciso coragem


Quando as mulheres decidiram transformar suas histórias em um livro de receitas, elas o chamaram de: It Takes Courage.

Coragem era algo que o grupo tocou.

[caption id="attachment_546" align="alignnone" width="862"] Nyibol Deng credita ao grupo o incentivo necessário para começar seu negócio. ( ABC Ballarat: Rhiannon Stevens )[/caption]

"As mulheres falaram sobre como é preciso coragem para deixar sua terra natal, aprender um novo idioma, encontrar escolas para seus filhos, usar o transporte público e alguns dias para simplesmente sair da cama", disse Pilkinton.

Para Nyibol Deng, que veio para a Austrália como refugiada do Sudão do Sul, o grupo ajudou a aumentar sua confiança.

"Foi importante para nós aprendermos sobre [nossos] direitos", disse Deng.

Ela disse que muitas das mulheres do grupo sofreram violência familiar.

"Todos nós acabamos encorajando uns aos outros para sermos capazes de fazer amigos, de conseguir sair de algo que não sabíamos que poderíamos fazer", disse Deng.

“Especialmente as pessoas presas à violência familiar, nós pensamos: 'Se você pode fazer isso, eu posso fazer'. Esse foi o ponto importante para a maioria de nós”.

Uma rede e uma irmandade


À medida que o livro de receitas ia ganhando corpo, o grupo começou a pensar em um negócio.

"Por meio desse processo, descobrimos que muitas das mulheres presentes nunca conseguiram ganhar um dólar desde que estavam na Austrália e muitas já estavam aqui há muito tempo", disse Pilkinton.

[caption id="attachment_545" align="alignnone" width="862"] A empresa social A Pot of Courage café abriu em Ballarat no ano passado e se converteu em refeições para viagem para sobreviver à pandemia. ( ABC Ballarat: Rhiannon Stevens )[/caption]

Algumas mulheres tiveram anos de candidaturas a empregos malsucedidas.

Mas sem um domínio seguro de inglês ou educação formal, navegar por formulários de emprego e entrevistas pode ser quase impossível.

Dados divulgados no ano passado pelo Australian Bureau of Statistics mostraram que, entre os migrantes recentes, as mulheres tinham menos probabilidade de encontrar emprego do que os homens.

“Na verdade, a maioria das mulheres nunca passou do estágio de candidatura”, disse Pilkinton.

Mas isso não significava que eles não tivessem habilidades para oferecer, e fora desse contexto nasceu o café A Pot of Courage.

[caption id="attachment_544" align="alignnone" width="862"] A gerente do Pot of Courage, Lilly Wright, diz que o café ajuda as mulheres a aprenderem novas habilidades e se tornarem confiantes ao falar inglês e servir os clientes. ( ABC Ballarat: Rhiannon Stevens )[/caption]

"Talvez às vezes seja melhor não continuar se inscrevendo e sendo rejeitado repetidamente, mas criar algo que só você possa fazer", disse Pilkinton.

Uma empresa social sem fins lucrativos, o café foi inaugurado no início de 2020 e visa oferecer treinamento e emprego para mulheres marginalizadas.

"Acho que a melhor coisa é que todos aqui são iguais e queremos apoiar e aprender uns com os outros", disse a gerente do café, Lilly Wright.

A Sra. Wright, que migrou da Malásia, disse que mudar para um novo lugar pode ser um empreendimento solitário.

Ela acredita que o café é um lugar importante para os migrantes e refugiados recém-chegados se relacionarem e encontrarem oportunidades e amigos com experiências de vida semelhantes que podem ajudar uns aos outros.

Funcionando em meio período, o café emprega atualmente cerca de 16 mulheres.

Além de adquirir habilidades de hospitalidade, a Sra. White disse que ajudou as mulheres a aumentar sua confiança em áreas como falar inglês e atendimento ao cliente.

"Acho que eles estão tão confiantes e confortáveis ​​porque não estamos julgando", disse ela.

'Estou tão orgulhoso de mim mesmo'


No canto do café, uma mesa de almofadas com padrões brilhantes está à venda com o rótulo A Tuk.

Um Tuk significa "começo", disse Deng, dona de uma empresa e mãe de cinco filhos.

“[É] o começo de fazermos algo novo aqui, e também empoderar as mulheres e nossos filhos”, disse ela.

Sra. Deng não trabalha no café, mas se considera "parte da família Pot of Courage".

[caption id="attachment_543" align="alignnone" width="862"] A fundadora e coordenadora de voluntários do Pot of Courage, Shiree Pilkinton, folheia uma cópia do livro de receitas It Takes Courage. ( ABC Ballarat: Rhiannon Stevens )[/caption]

Ela deu crédito ao grupo original por dar-lhe o incentivo tão necessário com seu negócio.

Enquanto estava empregada - trabalhando com creche - ela nunca pensou que poderia ter seu próprio negócio.

"Quando cheguei, não falava inglês, não sabia como escrever meu nome, a maior parte da minha educação foi na Austrália", disse ela.

"Tem sido muito importante para mim sair por aí, fazer algo e começar a vender."

O financiamento para o grupo dirigido pela Women's Health Grampians terminou em 2019.

[caption id="attachment_542" align="alignnone" width="862"] Incentivada por Nyibol Deng, Mary Top (à esquerda) e Mary Deng iniciaram um negócio criando aventais feitos à mão em Ballarat. ( ABC Ballarat: Rhiannon Stevens )[/caption]

Mas o café em breve abrirá suas portas pelo segundo ano.

Mulheres como a Sra. Deng continuarão apoiando outras mulheres para crescer, assumir riscos e abrir negócios.

"Estou tão orgulhosa de mim mesma, para ser honesta. Estou tão surpresa também por poder estar fazendo o que estou fazendo", disse ela, enquanto seus olhos se enchiam de lágrimas.

"Desse grupo, pelo incentivo que recebo, adoraria passá-lo para outras mulheres."

Achou este artigo interessante? Siga-nos no Facebook, Twitter e Instagram para ler mais conteúdo exclusivo que postamos.